The Right to Life and Mother Earth

Mnakind cannot sustain itself without the support of natureThe Right to Life and Mother Earth

Statement of the VIII Free Land Camp, Brazil

Translated from Portuguese, Original Below

We, more than 700 leaders, representatives of indigenous peoples and organizations from different regions of Brazil, met in Brasilia-DF, on the occasion of the VIII Free Land Camp, the largest national indigenous mobilization, considering the actual situation of violation of our rights that worse day by day under the watchful and silent complicity of the Brazilian state, the public came to express our outrage and disgust and contempt for the slowness with which they are being treated the public policies that address our interests and aspirations.

Encouraged by the example and the fighting spirit and courage of our ancestors, elders and chiefs who presided in, we reiterate our resolve to remain united in diversity and to fight above our differences for the guarantee of our rights guaranteed by the Constitution of 1988 and international law promotion and protection of indigenous rights as Convention 169 of the International Labour Organisation (ILO) and United Nations Declaration on the Rights of Indigenous Peoples.

Before the death of the offensive design of agribusiness interests of landowners, business consortia, multinational companies and other economic and political power over our lands and their wealth (natural, water, minerals and biodiversity), we proclaim our determination to defend our rights, especially regarding the life and land and, if need be, with our own lives.

We will not accept what we preserve today millennia – Mother Earth – contributing to the environmental and social sustainability of the country and the planet, is once again torn from our hands or irrationally destroyed, as was 511 years ago by European settlers in detriment of the lives of our people and their future generations.

We cannot allow greed to continue being victims of neoliberal capitalism, predatory model of development that prevails in the world, including our country, so relentless, silent under the gaze, the explicit collusion and accession of the current government.

On behalf of all indigenous peoples and organizations in Brazil claim that the Chair Roussef become reality its commitment to ensure respect for human rights, social justice, environmental sustainability and social proclaimed it in his campaign and international travel, considering that we indigenous peoples, centuries relegated by the Brazilian government and treated as obstacles to the development plan and economic growth of the country, as citizens and ethnic and culturally diverse communities, have rights guaranteed by the Constitution and international treaties to which Brazil is a signatory which shall be duly respected.

Therefore we demand the attendance of the following claims.

LAND: DEMARCATION AND INVADERS

FUNAI GTs that create jobs to sustain our land, aiming to regularize indigenous lands, with clear goals for the demarcation of boundaries and review immediate intrusions, including the trial of cases standing at the Supreme Court (STF). The stoppage of the demarcation process and the slowness in the actions of FUNAI cause increased conflict with the invaders of indigenous lands, prolonging the suffering of our peoples and communities in all regions of the country, a situation aggravated by the 19 conditions laid down by the Supreme Court.

FUNAI should hire staff to meet the specific demands of demarcation of indigenous lands. The court must still take action against servers involved with farmers and against the territorial rights of our people as in Mato Grosso do Sul that do not adopt the acquisition of land for indigenous peoples as a replacement for due legal process of demarcation of lands traditionally occupied. Just admit this procedure in cases where they do not prove the traditional occupation.

False information is often pompously announced by the government that 95% of indigenous lands have been demarcated. Instead, besides not having been demarcated the whole, the majority of indigenous lands continue to be invaded, without all the phases are complete settlement: report of identification, declaration of recognition, placement of markers, approval, registration, invaders. That in all regions of the country. Free Land Encampment, through the Articulation of Indigenous Peoples of Brazil (APIB) submit to a government survey shows that mapping of the critical situation of indigenous lands.

We reiterate that the speed in completion of different phases of the adjustment procedure is necessary to lessen the increasing legalization that has delayed the effectiveness of demarcation completed by the Executive, disenfranchised communities in the face of violence from groups opposed to the recognition of indigenous lands and their protection by Union

Unfortunately, however, remember that mark is not enough unless the government adopts measures to protect indigenous lands and sustainability, adopting special program for the supervision and protection of indigenous lands in the bands of border, with the participation of our peoples and organizations.

DEVELOPMENTS THAT IMPACT INDIGENOUS LANDS

That the Government of President Dilma guarantee the applicability of Convention 169 of International Labour Organisation (ILO) and the Federal Constitution, respecting the right of our people to query free, prior and informed about developments that impact their lands. It is fundamental to what the government regulate and institutionalize the right of consultation. Indigenous peoples should be fully informed about their rights by preventing agreements are signed or policies of co-optation practiced to the detriment of their rights. In the case of communities impacted by development, the compensation due should be permanent and aimed directly at them, defining who will independently manage the resources in question. We do not accept that management is made by Funai or any other institution, without regard to this assumption.

Our people can no longer be victims of social and environmental impacts in most cases irreversible damage caused by roads that cross the Indian lands, monoculture (soya, sugar cane, bamboo, eucaplipto, pins), livestock, pesticide use and many other projects and economic enterprises that negatively impact our life and culture, and resulting in legalization of land demarcations, persecution and criminalization of hundreds of our leaders. Are as hydroelectric Belo Monte, San Antonio and Jirau Strait; projects for implementation (Rio Sao Francisco), roads, mining, electricity, high voltage, Small Hydro Power (SHP), mansions on the sea shore, settler colonization, establishment national parks and conservation areas, ports, sewers, ethanol plants, quarries, sand and limestone, steel mills, refineries, pipelines, power plants, among others. At least 434 enterprises achieve our territories. The developmental programs of the federal government, or not linked to the Growth Acceleration Program (CAP), will generate impacts in 182 indigenous lands, at least 108 people.

For all these reasons, we do not allow the government to “shove down our throats” enterprises Project to Accelerate Growth (PAC) that threaten the continuity and physical security, mental and cultural development of our peoples and communities.

CRIMINALIZATION OF INDIGENOUS LEADERSHIP

That the struggles of our peoples for their territorial rights should not be criminalized, and they are persecuted and criminalized in most cases by government agents who should perform the function to protect and ensure indigenous rights.

We denounce the linkage between the judiciary and security agencies and private interests, farmers, especially to criminalize indigenous leaders. In some states the military police, civil and federal, and national strength or are missing or are used to evict indigenous land resumed. Farmers, as in southern Bahia, form militias including the participation of members of the military and federal.

According to InfoPen / MJ at least 748 inmates are indigenous, and many are leaders and others struggle for the persecuted, subjected to acts of violence, lawsuits and an arrest warrant ordered. In Pernambuco, the head of one of the leaders is announced for 500 reais.

Indigenous leaders, women and men are murdered and the criminals are loose and not taken action. Claim they are tried and punished the instigators and perpetrators of crimes (murder, robbery, rape, torture) committed against our people and communities.

Judges occupying Indian lands and those defending the interests of farmers and even squatters settled in areas demarcated or asserted cannot judge the actions relating to our lands. Should therefore be prevented since they are stakeholders in the actions.

That federal prosecutors did not offer a complaint against indigenous leaders, since this is not crimes but rather a collective struggle for the demarcation of indigenous peoples from their traditional lands and other constitutionally guaranteed collective rights. The Federal Prosecutor, omitted in some cases, as opposed to assist communities and petition for habeas corpus on behalf of leaders who have the criminalization process when fighting for their territories.

That strengthens the prosecution of Funai, ensuring the return of the Attorneys for the seat of the regional coordinators of the Organ.

What is guaranteed the freedom of expression and struggle of our people by ensuring their rights, especially land.

RESTRUCTURING OF FUNAI

We want a Funai that fails to meet the economic and political interests of large states, and stop being the licensing body of works that tear our lands. We want a Funai with sufficient resources to remove the invaders from our territory and at the same time, be able to complete the procedures demarcation of our lands. No more paralysis in the marquees. We want a FUNAI able to defend our collective and individual rights, especially of our leaders who are criminalized. We want a body chaired by someone who has actually committed to the interests and aspirations of our peoples and communities.

With the restructuring of FUNAI, the violation of our rights has worsened. The demarcation processes were frozen and the land unprotected, without the presence of heads of stations, which the offices and the regional coordinators extinguished by the decree 7056, return. Considering that the Brazilian government has violated the Convention 169 of International Labour Organisation (ILO), claim that the decree be repealed until it is discussed and no consensus with all peoples on how the restructuring should be replaced and that is the current president, as it has claimed the regions affected by this process.

Indian Legislation  

That the president of the Chamber of Deputies on the agenda include the PL 2057/91 and create a Special Commission to analyze the project in question in order to allow the presentation and discussion of amendments, considering the proposals of our peoples and organizations, aimed the approval of the new Statute of Indigenous Peoples. Thus, all issues of concern to our peoples will be addressed within this proposal to avoid being shredded by means of different legislative initiatives that seek to reverse the advances secured by the Constitution.

The government, through its representatives, make the processing and approval of Bill 3.571/2008 establishing the National Council of Indigenous Policy (CNPI), deliberative, normative and articulate of all policies and actions currently dispersed in different Government agencies. After five years of existence of the National Commission on Indigenous Policy, it is time to be substituted by the Council in order to avoid further damage and problems within our movement. We believe that CNPI already fulfilled its function after ensuring the consolidation and forwarding the Draft Law on the Council, what really matters to people and indigenous organizations.

Indigenous Health

That the Government ensures that sufficient financial resources for implementation of the Special Secretariat of Indigenous Health (SESA) and the realization of political autonomy, financial and administrative management of the Special Indigenous Sanitary Districts (DSEI `s) with the full participation and effective social control of our people and organizations in different areas, local and national level, avoiding the reproduction of practices of corruption, political patronage, and the worsening situation of abandonment and lack of assistance they are many indigenous peoples and communities. Ensure also tender and differentiated training of indigenous staff to assume responsibilities in indigenous health care.

The delay in transition of responsibilities to FUNASA SESA, because of partisan political interests and corporate, is creating chaos and insecurity in primary care about the guarantee of basic sanitation in indigenous communities. The Government of President Dilma must take steps to ensure that the competent bodies to fulfil their institutional responsibilities in good health of our people.

Indigenous Education

That the Ministry of Education ensures the participation of indigenous peoples and organizations in the implementation of the territories etnoeducacionais and fulfilling the resolutions adopted by the First National Conference on Indian Education, 2009.

Forest Code

We repudiate the offensive caucus is committed to the amendment of the Forest Code, which will certainly cause irreparable damage to our lands and natural resources they harbour.

Policy Reform

We demand that the process of policy reform, underway in the parliament, is considered the right of our people to participate, including a share being established to ensure our representation.


deforestation changing the landscape in BrazilPortuguese Original

DOCUMENTO FINAL DO ACAMPAMENTO TERRA LIVRE 2011

PELO DIREITO À VIDA E À MÃE TERRA

Nós, mais de 700 lideranças, representantes de povos e organizações indígenas das distintas regiões do Brasil, reunidos em Brasília–DF, por ocasião do VIII Acampamento Terra Livre, a maior mobilização indígena nacional, considerando o atual quadro de violação dos nossos direitos que se agrava dia a dia sob o olhar omisso e a conivência do Estado brasileiro, viemos de público manifestar a nossa indignação e repúdio pela morosidade e descaso com que estão sendo tratadas as políticas públicas que tratam dos nossos interesses e aspirações.

Animados pelo exemplo e o espírito de luta e coragem dos nossos antepassados, anciãos e caciques que nos presidiram, reiteramos a nossa vontade de continuar unidos na diversidade e de lutar acima das nossas diferenças pela garantia dos nossos direitos assegurados pela Constituição Federal de 1988 e leis internacionais de proteção e promoção dos direitos indígenas como a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos Povos Indígenas.

Diante do Projeto de morte da ofensiva dos interesses do agronegócio, do latifúndio, dos consórcios empresariais, das multinacionais e demais poderes econômicos e políticos sobre as nossas terras e suas riquezas (naturais, hídricas, minerais e da biodiversidade), proclamamos a nossa determinação de defender os nossos direitos, principalmente quanto à vida e à terra e, se preciso for, com a nossa própria vida.

Não admitiremos que o que até hoje preservamos milenarmente – a Mãe Terra – contribuindo para a sustentabilidade ambiental e social do território nacional e do planeta, seja arrancado mais uma vez das nossas mãos ou destruído irracionalmente, como foi há 511 anos pelos colonizadores europeus, em detrimento da vida dos nossos povos e suas futuras gerações.

Não podemos admitir continuar sendo vítimas da voracidade do capitalismo neoliberal, do modelo de desenvolvimento depredador que impera no mundo, inclusive no nosso país, de forma implacável, sob o olhar omisso, a conivência e adesão explícita do governo atual.

Em nome de todos os povos e organizações indígenas do Brasil reivindicamos que a Presidenta Dilma Roussef torne realidade o seu compromisso de garantir o respeito aos direitos humanos, a justiça social, a sustentabilidade ambiental e social proclamada por ela na sua campanha e em viagens internacionais, considerando que nós os povos indígenas, relegados secularmente pelo Estado brasileiro e tratados como empecilhos ao plano de desenvolvimento e crescimento econômico do país, enquanto cidadãos e coletividades étnica e culturalmente diferentes, temos direitos assegurados pela Constituição Federal e tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário que devem ser devidamente respeitados.

Dessa forma reivindicamos o atendimento das seguintes demandas.

TERRAS: DEMARCAÇÃO E DESINTRUSÃO

Que a FUNAI crie GTs para dar continuidade aos trabalhos fundiários, voltados a regularizar as terras indígenas, com metas claras para a demarcação, revisão de limites e desintrusão imediata, incluindo o julgamento de casos parados no Supremo Tribunal Federal (STF). A paralisação dos processos demarcatórios e a morosidade nas ações da FUNAI provocam o aumento de conflitos com os invasores das terras indígenas, alongando o sofrimento dos nossos povos e comunidades em todas as regiões do país, situação agravada pelas 19 condicionantes estabelecidas pelo STF.

A FUNAI deve contratar funcionários para atender as demandas específicas de demarcação das Terras Indígenas. O órgão deve ainda tomar providências contra servidores envolvidos com fazendeiros e contrários ao direito territorial dos nossos povos como no Mato Grosso do Sul.

Que não se adote a aquisição de terras para os povos indígenas como substituição do devido procedimento legal de demarcação das terras tradicionalmente ocupadas. Só admitimos esse procedimento em casos em que não se comprove a ocupação tradicional.

É falsa a informação pomposamente divulgada com freqüência pelo governo de que 95% das terras indígenas já foram demarcadas. Ao contrário, além de não ter sido demarcada essa totalidade, a maioria das terras indígenas continuam sendo invadidas, sem que todas as fases de regularização estejam concluídas: relatório de identificação, declaração de reconhecimento, colocação de marcos, homologação, registro, desintrusão. Isso em todas as regiões do país. O Acampamento Terra Livre, por meio da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) encaminhará ao Governo um levantamento deste mapeamento que revela a situação crítica das terras indígenas.

Reiteramos que a agilidade na conclusão das distintas fases do procedimento de regularização é necessária para diminuir a crescente judicialização que vem retardando a efetividade das demarcações concluídas pelo Executivo, vulnerabilizando as comunidades frente à violência de grupos contrários ao reconhecimento das terras indígenas e à sua proteção pela União.

Cabe, no entanto, lembrar que demarcar não é suficiente se o governo não adota medidas de proteção e sustentabilidade às terras indígenas, adotando programa especial para a fiscalização e proteção das terras indígenas nas faixas de fronteira, com a participação dos nossos povos e organizações.

EMPREENDIMENTOS QUE IMPACTAM TERRAS INDÍGENAS

Que o Governo da presidenta Dilma garanta a aplicabilidade da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Constituição Federal, respeitando o direito dos nossos povos à consulta livre, prévia e informada, a respeito de empreendimentos que impactam as suas terras. É fundamental para isso que o governo regulamente e institucionalize o direito à consulta. Os povos indígenas devem ser devidamente informados quanto aos seus direitos evitando que acordos sejam firmados ou políticas de cooptação praticadas, em detrimento de seus direitos. No caso de comunidades impactadas por empreendimentos, a compensação decorrente deve ser permanente e destinada diretamente para a elas, que definirão de forma autônoma quem deverá gerenciar os recursos em questão. Não admitimos que essa gestão seja feita pela FUNAI ou qualquer outra instituição, sem se considerar este pressuposto.

Os nossos povos não podem mais ser vítimas de impactos sociais e ambientais na maioria dos casos irreversíveis provocados por estradas que cortam as terras indígenas, monocultivos (soja, cana de açúcar, bambu, eucaplipto, pinos), a pecuária, o uso de agrotóxicos e outros tantos projetos e empreendimentos econômicos que impactam de forma negativa a nossa vida e cultura, e provocam a judicialização das demarcações de terras, a perseguição e a criminalização de centenas de lideranças nossas. São usinas hidrelétricas como Belo Monte, Santo Antônio e Jirau, Estreito; projetos de transposição (Rio São Francisco), rodovias, mineração, rede elétrica de alta tensão, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), mansões na orla marítima, assentamentos de colonização, criação de parques nacionais e áreas de preservação, portos, esgotos, usinas de álcool, pedreiras, exploração de calcário e areia, fábricas siderúrgicas, refinarias, gasodutos, termoelétricas, dentre outros. Pelo menos 434 empreendimentos atingem nossos territórios. Os programas desenvolvimentistas do governo federal, vinculados ou não ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), vão gerar impactos em 182 terras indígenas, em pelo menos 108 povos.

Por tudo isso, não admitimos que o governo “enfie goela abaixo” empreendimentos do Projeto de Aceleração do Crescimento (PAC) que ameaçam a continuidade e segurança física, psíquica e cultural dos nossos povos e comunidades.

CRIMINALIZAÇÃO DE LIDERANÇAS INDÍGENAS

Que as lutas dos nossos povos pelos seus direitos territoriais não sejam criminalizadas, sendo eles perseguidos e criminalizados na maioria das vezes por agentes do poder público que deveriam exercer a função de proteger e zelar pelos direitos indígenas.

Denunciamos a articulação existente entre o judiciário, órgãos de segurança e interesses privados, fazendeiros, sobretudo, para criminalizar líderes indígenas. Em alguns estados as polícias militar, civil e federal, e a força nacional ou são omissas ou são utilizadas para expulsar indígenas das terras retomadas. Os fazendeiros, como no sul da Bahia, formam milícias inclusive com a participação de membros da polícia militar e federal.

De acordo com o InfoPen/MJ, pelo menos 748 indígenas estão presos, sendo que muitos são lideranças e outras por luta são perseguidos, submetidas a atos de violência, processos judiciais e com ordem de prisão decretada. Em Pernambuco, a cabeça de uma das lideranças está anunciada por 500 reais.

Lideranças indígenas, mulheres e homens, são assassinados, e os criminosos estão soltos e não são tomadas providências. Reivindicamos que sejam julgados e punidos os mandantes e executores de crimes (assassinatos, esbulho, estupros, torturas) cometidos contra os nossos povos e comunidades.

Juízes ocupantes de terras indígenas ou que defendem interesses de fazendeiros e até de grileiros assentados em áreas demarcadas ou reivindicadas não podem julgar as ações relativas às nossas terras. Devem, portanto, serem impedidos uma vez que são partes interessadas nas ações.

Que o Ministério Público Federal não ofereça denúncia contra lideranças indígenas, uma vez que não se trata de crimes e sim de uma luta coletiva dos povos indígenas pela demarcação de seus territórios tradicionais e demais direitos coletivos constitucionalmente garantidos. O Ministério Público Federal, omisso em alguns casos, deve ao contrário assistir as comunidades e impetrar Habeas Corpus em favor das lideranças que sofrem o processo de criminalização quando em luta por seus territórios.

Que seja fortalecida a Procuradoria da Funai, assegurando o retorno dos Procuradores para a sede das coordenações regionais do Órgão.

Que seja assegurada a liberdade de expressão e de luta dos nossos povos pela garantia de seus direitos, especialmente territoriais.

REESTRUTURAÇÃO DA FUNAI

Queremos uma Funai que deixe de atender aos interesses econômicos e do latifúndio, e que pare de ser órgão licenciador de obras que rasgam nossas terras. Queremos uma Funai com recursos suficientes para retirar os invasores de nossos territórios e, ao mesmo tempo, ter condições de concluir os procedimentos demarcatórios de nossas terras. Chega de paralisia nas demarcações. Queremos uma Funai com condições de defender nossos direitos coletivos e individuais, especialmente de nossas lideranças que são criminalizadas. Queremos um órgão presidido por alguém que realmente tenha compromisso com os interesses e aspirações dos nossos povos e comunidades.

Com a reestruturação da FUNAI, a violação dos nossos direitos se agravou. Os processos de demarcação ficaram paralisados e as terras desprotegidas, sem a presença dos chefes de postos. Que os postos e as coordenações regionais extintos com o decreto 7056, retornem. Considerando que o governo brasileiro violou a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), reivindicamos que esse decreto seja revogado, até que seja discutido e haja consenso com todos os Povos sobre como deve ser a reestruturação e que seja substituído o atual presidente, como tem reivindicado as regiões afetadas por este processo.

Legislação Indigenista

Que o presidente da Câmara dos Deputados inclua na ordem do dia o PL 2057/91 e crie a Comissão Especial para analisar o projeto em questão, a fim de permitir a discussão e apresentação de emendas, considerando as propostas dos nossos povos e organizações, visando à aprovação do novo Estatuto dos Povos Indígenas. Dessa forma, todas as questões de interesse dos nossos povos serão tratadas dentro desta proposta, evitando ser retalhadas por meio de distintas iniciativas legislativas que buscam reverter os avanços assegurados pela Constituição Federal.

Que o governo, por meio de sua bancada, assegure a tramitação e aprovação do Projeto de Lei 3.571/2008 que cria o Conselho Nacional de Política Indigenista (CNPI), instância deliberativa, normativa e articuladora de todas as políticas e ações atualmente dispersas nos distintos órgãos de Governo. Após cinco anos da existência da Comissão Nacional de Política Indigenista, está na hora da mesma ser substituída pelo Conselho, a fim de evitar maiores desgastes e dificuldades no interior de nosso movimento. Acreditamos que a CNPI já cumpriu a sua função após ter assegurado a consolidação e o encaminhamento do Projeto de Lei do Conselho, que realmente interessa aos povos e organizações indígenas.

Saúde Indígena

Que o Governo garanta os recursos financeiros suficientes para a implementação da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) e a efetivação da autonomia política, financeira e administrativa dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI`s), com a participação plena e o controle social efetivo dos nossos povos e organizações nos distintos âmbitos, local e nacional, evitando a reprodução de práticas de corrupção, apadrinhamentos políticos, e o agravamento da situação de abandono e desassistência em que estão muitos povos e comunidades indígenas. Garantir, ainda, concurso público diferenciado e a capacitação de quadros indígenas para assumirem responsabilidades no atendimento à saúde indígena.

A demora na transição das responsabilidades da Funasa para a SESAI, em razão de interesses políticos partidários e corporativos, está gerando caos no atendimento básico e insegurança sobre a garantia do saneamento básico nas comunidades indígenas. O Governo da presidenta Dilma deve tomar providências para que os órgãos competentes cumpram as suas responsabilidades institucionais em bem da saúde dos nossos povos.

Educação Indígena

Que o Ministério da Educação assegure a participação dos povos e organizações indígenas na implementação dos territórios etnoeducacionais e que cumpra as resoluções aprovadas pela I Conferência Nacional de Educação Indígena de 2009.

Código florestal

Repudiamos a ofensiva da bancada ruralista, empenhada na alteração do Código Florestal que, certamente, provocará danos irreparáveis às nossas terras e aos recursos naturais que elas abrigam.

Reforma Política

Reivindicamos que no processo da Reforma Política, em curso no parlamento, seja considerado o direito dos nossos povos à participação, inclusive sendo estabelecida uma quota que garanta a nossa representatividade.

Source: CIMI

Related Topics:

EU Owning Up to Illegal Activity in Indonesia

Bolivia: The Moral Light Shines on Land and People

Kenya: Rights Of Mother Earth – Maasai Response

Beating the Drums of Resistance

The Potato Royalty to Be Paid!?

The Banquet of the Spirits Come to an End

Where Vultures Fly

A River Runs Through Us

Ethiopia: Selling the Sacred

Sinai Liberation Day

The Yanomami and the Yew Tree That Fights Cancer

Advertisements